O perigo mora ao lado

Especialista da Universidade da Califórnia (EUA) diz que gotículas de pessoas contaminadas pelo vírus da Covid-19 percorrem distâncias maiores que 2 metros em regiões litorâneas.

0
Swilly
Gotículas do vírus viajam mais longe em ambientes com muito vento, como as praias, por exemplo.

Uma cientista da Universidade da Califórnia (EUA), em San Diego, diz que regiões litorâneas, onde a intensidade dos ventos é maior, aumentam ainda mais a distância na qual o vírus da Covid-19 consegue percorrer.

Atualmente, a OMS e o Ministério da Saúde recomendam manter uma distância mínima de 2 metros de outras pessoas, isso porque o coronavírus não é transmitido pelo ar, mas pelo contato com gotículas expelidas por um indivíduo contaminado.

De acordo com a cientista atmosférica Kim Prather, especialista em como vírus e bactérias podem ser transmitidos no oceano, em ambientes mais arejados, como as praias, por exemplo, essas gotículas percorrem distâncias ainda maiores.

“Os surfistas estão dizendo que estão seguros se ficarem a 2 metros de distância uns dos outros, mas isso só é verdade se o ar estiver parado”, disse Prather ao jornal The San Diego Union-Tribune. “Na maioria das vezes, há vento ou brisa no litoral, então estas pequenas gotas de vírus vão flutuar no ar por mais tempo”, afirmou.

No artigo, Prather ainda compara a maneira como as gotas de vírus viajam pelo ar com a maneira com que a fumaça do cigarro se move na direção do vento.

“Enquanto que sem vento você provavelmente não sentirá o cheiro do cigarro de alguém que estiver muito longe, você poderá senti-lo a uma boa distância se houver incidência de vento”. Prather disse ainda que tentar evitar o vírus pelo ar é semelhante a tentar evitar a fumaça de um cigarro – principalmente se você estiver na mesma direção do vento.

“Se você não se importa com a sua própria vida, isso é uma coisa. Mas isso pode ser uma questão de vida ou morte para outras pessoas. Estou realmente preocupada porque o coronavírus é muito contagioso”, acrescentou Prather, que também é especialista em vírus e bactérias que surgem em zonas de surfe.